Sobre Richard Ferreira Lima

É concurseiro, trabalha no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, bacharel em direito e pós-graduado em Direito do Consumidor pela Escola Paulista de Magistratura.

5 Comentários

  1. Sonia Lemos da Costa Braga

    Não sou a favor de substancias que prometem milagres, mais cedo ou mais tarde elas vão prejudicar a saúde, sou a favor de uma boa alimentação, exercícios físicos e sobretudo qualidade de vida, o resto vem com o tempo. Li um artigo, do qual não recordo o veículo publicado, que diz que pessoas que praticam exercicio físicos têm menos propensão a desistir de seus objetivos. Eu que diga!. Nada de muita cede ao pote, então, cuiidar da saúde é primordial, o resto vem com o tempo. Minha dica é…não tenha pressa, estude gradualmente, intensifique na reta final…

    Responder
  2. Aske

    Mas, e as pessoas que sofrem de TDAH, tem receita e acompanhamento… não sofrem nenhuma restrição nos cargos ? Lembro que em um dos Editais da PMBA CFO, eles perguntavam sobre o uso de remédios controlados, isso pode acabar prejudicando o candidato aprovado no momento da nomeação ou antes ?

    Responder

    1. Quem tem TDAH e usa ritalina ou outro remédio semelhante, com receita médica, o faz por necessidade e não para ter uma vantagem sobre os outros. Pessoas assim possuem um deficit de atenção. O remédio, no caso, compensa essa diferença tornando o seu nível de atenção tão bom quanto o meu ou o seu.
      O problema está em quem usa de tais remédio como “esteroide cerebral”. Se essa é a intenção, então, vai haver complicadores como os que eu ressaltei na matéria. Na prática, conheço muita gente que usou, mas nenhuma passou em concurso. Ficaram sim mais irritadas e com os nervos a flor da péle.

      Para esclarecer a sua segunda dúvida, peço que leia a matéria que escrevi aqui no site:

      http://comopassaremconcurso.com.br/10-coisas-vao-te-impedir-passar-concursos-publicos/

      em especial a questão nº08.

      Qualquer dúvida é só postar aqui que eu prometo dar uma força.

      Abs.

      Responder
  3. shirley

    Gostaria de deixar registrado aqui o meu repúdio a qualquer droga química que destrói o ser humano. Tenho um filho que com 4 anos o médico diagnosticou TDAH e receitou a ritalina. Na época fomos pesquisar este remédio e vimos os efeitos colaterais do mesmo. Não demos o remédio pra ele e hoje com 8 os especialistas já retiraram o diagnóstico de TDAH. Encontramos tratamento na homeopatia e vamos começar o tratamento com ele assim que fecharmos o diagnóstico. Achei muito útil esse texto e gostaria de pedir permissão para usá-lo eventualmente para questionários do tipo: Se para uma pessoa ‘normal’ é droga e ele está cometendo um delito, para uma criança, simples inocente que não tem ideia do que está ingerindo, não seria crime? O crime é do médico que receita, pois as sequelas, quem vai conviver a vida inteira com a pessoa é quem percebe, não é verdade? Infelizes daqueles que vão por esse caminho, as pessoas aceitam as coisas muito facilmente, e hoje a medicina e a indústria farmacêutica estão interligadas. Os médicos aprendem a receitar remédios, difícil é sair de um consultório médico sem uma receita na mão. Agora, por outro lado, tem pessoas que mudaram a direção e estão pensando em vida saudável – vejam o Dr. Alberto Gonzalez no globo repórter que fala de comida viva, a professora Ana Branco que fala de grãos germinados, quem sabe os concurseiros aproveitem essas dicas… Do que adianta se preparar para um concurso, passar, e depois ficar com problemas sérios advindos de remédios para aumentar a concentração? E viva a natureza!

    Responder

    1. Fiquei muito feliz em ler o seu comentário Ana.

      De antemão, declaro aqui que dou autorização pra você usar o meu texto. Quanto mais as pessoas puderem ficar informadas e esclarecidas melhor.

      Se precisar de mais alguma coisa entre em contato comigo.

      Fiz curso de extensão na lei de drogas e justiça restaurativa pela Universidade de São Paulo (USP) e ficarei feliz em ajudar.

      Abs.

      Richard

      Responder

Deixe uma resposta